O brilho verde e a enorme cauda do Swan, cometa que está passando pelo sistema solar e só voltará, quem sabe, daqui a 11 mil anos - © NASA
O cometa C/2020 F8, de uma incomum cor verde e com uma substância perigosa no núcleo, conhecida como cianogênio, deve se aproximar do Sol no final de maio e será visível a partir da Terra a olho nu.


"Pode ser que se converta no cometa mais brilhante em nosso céu nos últimos sete anos. Devido ao vento solar, começa a formar caudas: uma de gás, outra de poeira, que fazem brilhar de maneira espetacular", informou à Sputnik a astrônoma do planetário de Moscou Lyudmila Koshman.
"[A cor] depende dos gases que estão no núcleo do cometa. A cor verde se deve ao cianogênio, pois a radiação ultravioleta excita as moléculas de cianogênio e estas começam a se tornar fluorescentes", afirmou a astrônoma.
O cianogênio é um gás irritante aos olhos e ao sistema respiratório, e sua inalação pode provocar tonturas, vertigem, inconsciência, convulsões e inclusive a morte.

Visitar nossa Página do Facebook: Jornal O Movimento

De acordo com a astrônoma, no dia 24 de maio o cometa se aproximará da Terra a uma distância de 117 milhões de quilômetros. No dia 31 de maio, ele se aproximará do Sol a uma distância de 38 milhões de quilômetros, ou seja, passará mais perto do que Mercúrio. O cometa aparece no céu na direção leste, por volta das 5h da manhã, pouco antes do nascer do Sol
Cerca de 85 milhões de quilômetros da Terra e com a pequenina cauda de 17 milhões de quilômetros, o cometa, descoberto no dia 27 de março, tem o nome oficial de  C/2020 F8, mas foi chamado de Swan por ter sido avistado pelo Solar Wind Anisotropies Camera (SWAN), um telescópio que monitora os ventos solares e se localiza na Austrália, mas é administrado pela Agência Espacial Europeia em conjunto com a NASA.
"À medida que ele se aproxima do Sol, o cometa começa a se evaporar rapidamente", explicou, Lyudmila Koshman.
A última vez que o cometa passou próximo da Terra foi no princípio do quarto milênio antes de Cristo, no início da história da civilização egípcia. Com informações NASA, Bramon e Sputnik -  É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo. )