© Pixabay
O governador de São Paulo, João Doria, anunciou nesta sexta-feira (17) a prorrogação da quarentena no estado até o dia 10 de maio, como medida de contenção contra o avanço do coronavírus. 

O término do isolamento estava previsto para o dia 22 de abril, próxima quarta-feira. As medidas começaram em todos os 645 municípios paulistas em 24 de março, na tentativa de reduzir a transmissão do novo coronavírus. 

Em entrevista coletiva, no Palácio dos Bandeirantes, João Doria justificou a decisão como forma de "evitar o colapso" dos sistemas de saúde público e privado.

"Há um mês, aqui em São Paulo, tínhamos a primeira morte. Hoje, já são 853 mortes no estado de São Paulo. Infelizmente, os casos estão em expansão. As UTIs e enfermaria dos hospitais públicos e privados estão recebendo um número maior de pacientes a cada dia e já temos alguns hospitais públicos à beira do limite".

Eventos públicos e privados com aglomeração de pessoas estão proibidos. Escolas, shoppings, lojas de rua e serviços considerados não essenciais não podem abrir as portas.



Estabelecimentos como supermercados e farmácias estão mantêm atividades normalmente. Bares e restaurantes podem funcionar apenas para serviço de entrega. 

"Para reabrir o comércio e os serviços, precisamos controlar melhor a contaminação e ter o sistema público de saúde também em condições de atendimento para salvar vidas", acrescentou o governador.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

São Paulo é o estado brasileiro com maior número de casos: foram 853 mortes e 11.568 casos confirmados, segundo os dados divulgados pelo Ministério da Saúde na quinta-feira (16). 

Além disso, cerca de 12 mil exames de casos suspeitos de covid-19 aguardam resultado. A covid-19 já matou 1.924 pessoas em todo o Brasil e há 30.425 casos confirmados.