Especialistas temem que covid-19 leve população a se descuidar no combate a outras doenças que assolam o país, especialmente a dengue

Fêmea do Aedes aegypti é responsável pela transmissão da febre amarela, dengue, chikungunya e zika vírus — © Pixabay
Em ano do novo coronavírus a cidade de Pirassununga, neste ano, está sofrendo de um problema grave: registra alto número de casos de dengue. Desde janeiro, já são mais de 559 casos confirmados da doença no município, segundo Boletim Vigilância Epidemiológica do Município, divulgado na tarde de sexta-feira (17)


Segundo a Vigilância Epidemiológica o número de casos confirmados de dengue no município, neste ano de 2020, subiu para 559. O município ainda tem  60 casos que são considerados suspeitos e estão sendo monitorados.

O Aedes aegypti, conhecido dos brasileiros, é vetor não apenas da dengue. O mosquito também é capaz de transmitir a humanos doenças como chikungunya e zika.


Considerando-se os boletins divulgados pelos estados, a soma dos casos prováveis de dengue ultrapassa 500 mil, até o começo de abril. São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul concentram a maioria deles.


Prevenção/Proteção
Utilize telas em janelas e portas, use roupas compridas – calças e blusas – e, se vestir roupas que deixem áreas do corpo expostas, aplique repelente nessas áreas.
Fique, preferencialmente, em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis.

Cuidados
Caso observe o aparecimento de manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados ou febre, busque um serviço de saúde para atendimento.
Não tome qualquer medicamento por conta própria.

Procure orientação sobre planejamento reprodutivo e os métodos contraceptivos nas Unidades Básicas de Saúde.

O Aedes aegypti é um mosquito doméstico. Ele vive dentro de casa e perto do homem. Com hábitos diurnos, o mosquito se alimenta de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer. A reprodução acontece em água limpa e parada, a partir da postura de ovos pelas fêmeas. Os ovos são colocados e distribuídos por diversos criadouros.

Em menos de 15 minutos é possível fazer uma varredura em casa e acabar com os recipientes com água parada – ambiente propício para procriação do Aedes aegypti.