Header Ads

Últimas Notícias

Como manter seu smartphone livre do coronavírus

Smartphones estão sempre cobertos de bactérias, mas vírus também sobrevivem nos aparelhos, inclusive o COVID-19. Explicamos como desinfetar adequadamente seu smartphone. © Kaspersky
A pandemia do coronavírus parece ter ensinado as pessoas a lavar bem as mãos depois de visitar locais públicos e a tocar o rosto com menos frequência. No entanto, nem todo mundo pegou outra dica útil – a desinfecção de gadgets, em particular o que pegamos cem vezes por dia, que também costuma ter contato com nosso rosto. Explicamos por que é importante limpar seu smartphone e como fazê-lo corretamente.


Por que desinfetar seu smartphone?
A primeira coisa que devemos lembrar é que, à temperatura ambiente, o coronavírus pode sobreviver e permanecer infeccioso em superfícies de metal, vidro, cerâmica e plástico por vários dias. O vírus pode entrar no telefone de duas maneiras: em gotículas minúsculas quando uma pessoa infectada tosse nas proximidades ou de suas próprias mãos depois de tocar na maçaneta da porta e nos botões do elevador, por exemplo.

Se você nunca entregar seu telefone a outras pessoas (por que você faria isso?) e não convidar transeuntes a tossir ou cuspir nele, a probabilidade de infecção por via aérea é baixa. A transmissão manual depende da duração do contato e varia para diferentes microorganismos – atualmente não há dados definitivos sobre ​o COVID-19.

Portanto, é melhor supor que o vírus pode ser transmitido se você segurar o smartphone depois de tocar em uma fonte de infecção e não lavar as mãos. Lembre-se também de que as mãos não são o único ponto de contato: o telefone geralmente é esfregado no rosto e nas orelhas ao falar sobre ele. Em geral, é melhor desinfetar seu telefone regularmente – sempre que você voltar para casa.

Como limpar seu telefone contra o coronavírus
Dos produtos domésticos mais comuns, os melhores para lidar com o coronavírus são etanol (C2H5OH), álcool isopropílico (C3H7OH), peróxido de hidrogênio (H2O2) e hipoclorito de sódio (NaClO).


O álcool isopropílico é considerado o menos prejudicial ao revestimento oleofóbico que permite que os dedos deslizem sobre a tela sem cobri-la com impressões digitais. Portanto, use-o se puder (como spray ou toalhas úmidas). Veja, por exemplo, este guia da Apple.

O etanol e o peróxido de hidrogênio devem ser considerados segundas opções, menos desejáveis, quando nada mais estiver disponível. Com uso frequente, eles podem facilmente arruinar o revestimento oleofóbico. Claro que isso depende de cada revestimento – mas você provavelmente não deseja descobrir na tela do seu telefone.

Quanto à concentração, o ideal é de cerca de 70 a 80%. O álcool mais puro evapora muito rapidamente; para obter melhores resultados, é necessário que a solução desinfetante fique na superfície por cerca de um minuto. Menor concentração, por outro lado, é menos eficiente em matar vírus. É por isso que você não deve usar vodka em vez de álcool etílico ou limpador de vidro em vez de álcool isopropílico: esses compostos têm um teor alcoólico muito inferior a 70%.

Evite derramar o desinfetante nos conectores, alto-falantes e outras aberturas do smartphone, mesmo que seja à prova d’água. Em vez disso, pegue uma disco de algodão, umedeça no líquido e aplique-o em todos os lados do dispositivo. Não há necessidade de pressionar com força, apenas limpe cuidadosamente e com cuidado toda a superfície.

Outro elemento lembrado quando falamos de desinfecção é a clorexidina; no entanto, essa substância não é muito eficiente no combate contra o coronavírus, portanto, não é recomendada neste caso.

Métodos alternativos
Se você não gosta da desinfecção química, existem outras maneiras de higienizar seu smartphone. Por exemplo, irradiação ultravioleta. Ou você pode colocar seu telefone dentro de um saco plástico selado toda vez que sair e descartá-lo imediatamente depois (o vírus também pode sobreviver por muito tempo com polietileno). Pode não parecer muito chique, mas não afeta muito a usabilidade e mantém você em segurança.

A opção mais radical é parar completamente de tocar no telefone quando você sair de casa, a menos que seja absolutamente necessário. Isso também funciona como uma estratégia eficaz de desintoxicação digital.


Além disso, não negligencie outros gadgets e itens que você usa em locais públicos: tablets, laptops, smartwatches, pulseiras, fones de ouvido e similares. Também vale a pena conferir no site do produto ou nas instruções se o fabricante tem alguma recomendação sobre quais substâncias são mais adequadas para a limpeza do dispositivo e como aplicá-las.

Dicas para desinfetar o Smartphone

  • * Antes de limpar seu smartphone, confira a composição dos produtos utilizados.
  • * Evite álcool etílico ou peróxido de hidrogênio – eles podem danificar o revestimento oleofóbico.
  • * Para limpar um smartphone, a melhor opção é o álcool isopropílico.
  • * A melhor concentração é 70-80%
  • * Higienize seu smartphone sempre que retornar para casa.
Da Redação Toni Oliveira / Jornal  O Movimento ©  com Ascom-Kaspersky  É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo )