© Geber86/Getty Images 
O surto do novo coronavírus levou a muita desinformação e fez o Facebook adotar algumas medidas. A empresa anunciou que proibirá qualquer anúncio que prometa curar ou prevenir o COVID-19, doença causada pelo vírus, ou que cause medo em torno da situação.


Ao Business Insider, o Facebook indicou que a sua decisão também vale para as ofertas no Marketplace. "Implementamos recentemete uma política para proibir anúncios que se referem ao coronavírus e criam um senso de urgência, como sugerir a escassez de um suprimento ou garantir uma cura ou prevenção", indicou a empresa.

Em janeiro, a companhia anunciou que trabalharia para impedir informações falsas sobre o coronavírus no Facebook e no Instagram. A tarefa é feita por meio dos parceiros de checagem de fatos e de links para informações verdadeiras que acompanham as postagens ligadas ao tema.

A empresa prometeu remover as publicações com alegações falsas ou teorias da conspiração que podem prejudicar quem acredita nelas. As plataformas ainda mostrarão informações com base em dados da Organização Mundial da Saúde.


O Twitter também adotou uma prática semelhante e passou a mostrar um link do Ministério da Saúde para usuários que pesquisam sobre o tema. A página explica o que é o novo coronavírus, o que se sabe sobre as formas de transmissão, quais são os sintomas da infecção pelo vírus, entre outros tópicos.

A epidemia tem afetado o planejamento de muitas empresas. A Sony, a Kojima Productions e o próprio Facebook anunciaram que não participarão da GDC 2020 pela preocupação com o novo coronavírus. A feira de games acontece de 16 a 20 de março em San Francisco, nos Estados Unidos.

Até terça-feira (25), o novo coronavírus registrou mais de 2.700 mortes, sendo a maioria delas na China, e mais de 80 mil casos confirmados. O Brasil confirmou o primeiro caso em um paciente em São Paulo e se tornou o primeiro país da América Latina com um caso da doença.

Com informações: The Verge.