Jornal O Movimento

2023 foi o ano mais quente da história, mostram dados

Índice é próximo da meta de 1,5°C de aquecimento traçada pelo Acordo de Paris, mas não significa uma violação do limite; na imagem, o planeta Terra. © Getty Imagens

Dados divulgados pelo observatório Copernicus Climate Change Service, da UE (União Europeia), nesta terça-feira (9) afirmam que 2023 foi o ano mais quente já registrado em relação à média do período pré-industrial de 1850 a 1900. Leia a íntegra do relatório completo (PDF – em inglês). 

A temperatura média global no ano passado chegou a 14,98°C –alta de 0,17°C em comparação com recorde anterior, registrado em 2016. Em relação aos níveis pré-industriais, a média foi 1,48ºC acima, sendo esse o 1º ano em que todos os dias ultrapassaram 1°C. 

Cientistas já esperavam que 2023 seria o ano mais quente. Em novembro, a Organização Meteorológica Mundial, ligada à ONU (Organização das Nações Unidas), afirmou que seria o caso. Em 6 de dezembro, o próprio observatório da UE antecipou o resultado divulgado desta terça. 

Na comparação mensal, de junho a dezembro, cada mês registrou temperaturas maiores em relação ao período correspondente dos anos anteriores. Julho e agosto de 2023 foram os mais quentes já registrados. Setembro e dezembro também ultrapassaram os recordes anteriores de cada período.

A temperatura global do ar à superfície aumenta em relação à média de 1850-1900, o período de referência pré-Revolução Industrial, com base em vários conjuntos de dados de temperatura global a cada 5 anos desde 1850 (esq.) e como médias anuais desde 1967 (dir). 09/01/2024 – (C3S/ECMWF/Reprodução)

Os principais impulsionadores das altas temperaturas foram as concentrações de gases de efeito de estufa, o El Niño e outras variações naturais. Apesar disso, o documento disse que esses fatores e outros fenômenos naturais, como a erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha’apai em 2022, no Pacífico Sul, não conseguem explicar completamente o resultado de 2023.

O relatório do Copernicus afirmou ainda ser “provável” que o período de 12 meses terminado em janeiro ou fevereiro de 2024 “exceda 1,5°C acima do nível pré-industrial”. A temperatura é a meta máxima de aquecimento estabelecida pelo Acordo de Paris, adotado em 2015.

Segundo o documento, a previsão não significa que mundo tenha ultrapassado o limite, já que esse é referente “a períodos de pelo menos 20 anos em que essa anomalia de temperatura média é ultrapassada”. Ou seja, é preciso que a temperatura de 1,5º C seja excedida por um período prolongado. Mas diz que a estimativa abre um “precedente terrível”. (AFP- Agência de notícias)

Quer ficar ligado em tudo o que rola em Pirassununga e região? Siga o perfil do jornal O Movimento no Instagram e também no Facebook.

(É proibida a reprodução do conteúdo deste website em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do jornal O Movimento

Postagem Anterior Próxima Postagem