Jornal O Movimento

Associação pede ao governo volta do horário de verão em 2024

O horário de verão deixou de ser acatado no Brasil em 2019. - Foto: Pixabay/Reprodução

 A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) decidiu pedir ao governo federal que retome o horário brasileiro de verão a partir de 2024. O pedido formal deve ser encaminhado ao Ministério de Minas e Energia e ao gabinete da Presidência da República.

O horário de verão foi suspenso em 2019, primeiro ano do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Ele é adotado em vários países e tem com um dos principais objetivos a economia de energia.

Com a mudança no relógio, a maior parte do tempo ativo das pessoas ocorreria antes do pôr do sol, o que levaria, em tese, a um menor consumo de eletricidade.

Economia e segurança

Segundo a ACSP, a retomada do horário de verão é importante para impulsionar a economia brasileira, beneficiando consumidores e empresas.

“Com a possibilidade de aproveitar o horário estendido de luz natural, o turismo também é beneficiado. O setor hoteleiro e de entretenimento pode experimentar um aumento na demanda, gerando mais empregos e impulsionando a economia regional”, afirma o presidente da ACSP, Roberto Matheus Ordine.

Ainda de acordo com a entidade, com mais tempo de iluminação natural, as ruas se tornam mais seguras, o que poderia reduzir o número de acidentes e a incidência de crimes.

Governo não se anima com a ideia

Em setembro, o Ministério de Minas e Energia informou que o país não tem mais a necessidade de adotar o horário de verão.

“Em virtude do planejamento seguro implantado pelo ministério desde os primeiros meses do governo, os dados não apontam, até o momento, para nenhuma necessidade de implementação do horário de verão”, afirmou a pasta, na ocasião. (Estadão Conteúdo)

Quer ficar ligado em tudo o que rola em Pirassununga e região? Siga o perfil do jornal O Movimento no Instagram e também no Facebook.

(É proibida a reprodução do conteúdo deste website em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do jornal O Movimento)
Postagem Anterior Próxima Postagem