Jornal O Movimento

Pirassununga recebe Circuito Sesc de Artes; confira a programação gratuita

DJs Micheletti e Roze comandam a festa da Tocaya em Pirassununga. (Foto: Lívia Terra)

Pirassununga  (SP) recebe   o Circuito Sesc de Artes, que conta com programação cultural gratuita de dança, circo, teatro, cinema e literatura em espaços públicos. 
O evento ocorre neste próximo sábado (28), das 15h às 19h, na Praça Central.

A Praça Conselheiro Antônio Prado, se tornará palco para apresentações de música, teatro, artes visuais e cinema. O evento é realizado pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) São Paulo, em parceria com o Sincomercio-Sindicato do Comércio Varejista de Pirassununga.

A edição deste ano acontece de 21 de outubro a 26 de novembro e é realizada em parceria com prefeituras e sindicatos do comércio locais de municípios que não possuem unidades do Sesc.

O Rastro do meu passo faz parte do roteiro que chega em Pirassununga. (Foto: Rogener Pavinski)

A programação que acontece desde 2008, para públicos de todas as idades passa por 123 cidades do interior e do litoral paulista e da grande São Paulo e conta com apresentações de teatro, dança, circo, música, oficinas, intervenções, vivências, ações de cinema, literatura, artes visuais e tecnologias.

Programação

Foto: Divulgação/Sesc-SP

Amuletos identitários:
Orientados pelos arte-educadores do Coletivo Manguezal, de Araraquara, os participantes confeccionam os amuletos de sua preferência a partir de materiais como retalhos de tecidos, linhas, barbantes, botões e objetos recicláveis, a exemplo de tampinhas, lacres e embalagens, dando origem a objetos únicos. 

Cinema em realidade virtual: Gravidade 
Por meio de óculos e fones de ouvido especiais, os espectadores se veem imersos em um filme de 360 graus e acompanham a queda livre de Osório e Benedito, dois irmãos que passam a vida em um tombo eterno: nesse mundo sem chão, tudo o que existe está sempre caindo. Osório vive em cima de uma geladeira e não se cansa de estudar o universo à sua volta. Benedito, mais intrépido, aproveita a vida sem muitos questionamentos. Gravidade está entre as obras selecionadas para o Festival de Cannes 2023.

Coletivo Tocaya
Jônatas Micheletti e Nat Rozendo – os DJs Micheletti e Roze, de Araraquara – apresentam uma seleção musical que celebra a diversidade de gêneros e ritmos brasileiros, ecoando desde tambores ancestrais até pegadas eletrônicas contemporâneas. Com a vivência de performances realizadas em espaços públicos e privados nas cidades de Araraquara, Matão e Ribeirão Preto, e também em canais digitais, a dupla espalha sons e movimentos da cultura do DJ pelo interior de São Paulo. 

Livro, palavra livre
Com uma linguagem que provoca encantamento e facilita a descontração do público infantil, os mediadores contam histórias pontuadas pelo som de violão, flauta e pandeiro. Entre os livros utilizados na apresentação há títulos como Bárbaro, de Renato Moricone, Telefone sem fio, de Ilan Brenman e É uma rã?, do autor belga Guido van Genechten. Formado por Augusto Figliaggi e Elaine Guarani, de Ribeirão Preto, o Badaiá também promove oficinas de ilustração, estêncil e histórias em quadrinhos. Atividade acessível em Libras.

No hay banda é tudo playback 
Com o objetivo de refletir sobre o universo da cultura e da música pop, o espetáculo de dança apresenta coreografias embaladas por versões remixadas de canções dos anos 1990, todas interpretadas por mulheres. Formadas pela Universidade Estadual de Campinas, as artistas também usam seus movimentos para provocar uma discussão sobre influências estrangeiras. Surgido em 2009, o grupo vão se mantém como coletivo independente na cidade de São Paulo.

O rastro do meu passo 
Para simbolizar a quantidade de resíduos sólidos que a humanidade produz, três atores transformam-se em seres-lixo na frente do público e deslocam-se pelo espaço até se encontrar. De maneira poética, mas consistente, o espetáculo provoca discussões sobre sustentabilidade e reforça a importância de reduzir a caminhada da poluição. Cada apresentação é única: conforme a interação dos espectadores, que acompanham toda a caracterização dos artistas, os desdobramentos e as reflexões podem ser diferentes. 

Janayna Pereira e Banda
Depois de 18 anos à frente da banda de forró Bicho de Pé, a cantora Janayna Pereira estreia seu trabalho solo, o álbum Tempo Bom. Transitando por vários estilos e acompanhada pelo trio Nathanael Sousa (acordeom), Sá Reston (baixo) e Pretinho (zabumba), a artista convida o público a dançar ao som de canções de sua própria autoria e releituras para músicas de outros artistas – como Nosso Xote, composta por Janayna para o Bicho de Pé, um clássico do forró pé-de-serra dos anos 2000. 

Quer ficar ligado em tudo o que rola em Pirassununga e região? Siga o perfil do jornal O Movimento no Instagram e também no Facebook.

(É proibida a reprodução do conteúdo deste website em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do jornal O Movimento)
Postagem Anterior Próxima Postagem