Jornal O Movimento

APAGÃO: Elektro esclarece constantes quedas de energia em Pirassununga

Queda de energia constate tem causado transtornos aos comerciantes e moradores tanto da área central quanto de bairros mais afastados. (Divulgação Neoenergia Elektro)



Vários bairros e a região central de Pirassununga vem sofrendo constantes quedas de energia elétrica . Os apagões, tem causado transtornos aos comerciantes e moradores tanto da área central quanto de bairros mais afastados.

Ao jornal  "O Movimento", os moradores têm reclamado de problemas de quedas e oscilações, que eles dizem ser recorrentes e que causam prejuízos em aparelhos eletrônicos. 

O problema foi constatado em alguns pontos do centro da cidade e nos bairros Terra Azul,  Clayton Mallaman, Jardim Carlos Gomes, Jardim Brasília, Jardim laranjeiras, Jardim São Valentim, Jardim Morumbi, Jardim São Valentim,   Terras de Santa Maria,  Vila Esteola, Vila Belmiro e Vila Santa Terezinha

ESPECIAL PUBLICITÁRIO

Em nota enviada ao  jornal "O Movimento", a Neoenergia Elektro confirmou a queda de energia e esclareceu que  está realizando uma obra de melhoria no município. Para a realização da obra, são necessárias rápidas interrupções , os piques, que ocorrem em segundos, disse em nota ao jornal.

 Veja abaixo a íntegra da nota:

A concessionária está realizando uma obra de melhoria no município,  a instalação de um novo alimentador que irá reforçar a qualidade do fornecimento de energia para a região Norte da cidade, como para os bairros: jardim Eldorado e Petrópolis. Os alimentadores são circuitos de média tensão que saem das subestações levando energia para os transformadores das redes de baixa tensão. Com o investimento, a empresa aumenta a disponibilidade de carga para o município, beneficiando 18 mil clientes.

Para a realização da obra, são necessárias rápidas interrupções , os piques, que ocorrem em segundos. 

A empresa está sempre em busca de novas tecnologias para melhorar a qualidade do fornecimento de energia. 

Queimou meu eletrodoméstico e agora?

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor e com a Resolução 414/2010, da ANEEL, as concessionárias de energia elétrica podem, sim, ser responsabilizadas por prejuízos causados pela falta de energia ou descargas elétricas capazes de produzir danos em equipamentos. Confira a baixo quatro passos do Procon quanto à reparação de danos causados por queda de energia:

Registre seu pedido de ressarcimento na concessionária de energia

Sempre que experimentar algum prejuízo em decorrência da falta de energia ou de alguma descarga elétrica, o consumidor deve, com a maior brevidade possível, procurar a empresa fornecedora de energia, relatando a ocorrência e pleiteando os ressarcimentos que entenda devidos.

Publicidade

A solicitação de ressarcimento pode ser realizada por meio de atendimento telefônico, diretamente nos postos de atendimento presencial, via internet ou por outros canais de comunicação eventualmente oferecidos pela distribuidora, para essa finalidade.

Atenção aos prazos e procedimentos

Feito o pedido, com detalhes sobre os equipamentos danificados e demais prejuízos identificados, a empresa deverá promover o conserto ou a ressarcimento dos prejuízos dentro do prazo máximo de 90 dias, contados da data da sua ocorrência.

É fundamental anotar os protocolos dos contatos realizados com a empresa, seguir as orientações recebidas e acompanhar os prazos estabelecidos.

A empresa pode, por exemplo, efetuar vistoria nos aparelhos danificados, em até 10 dias a partir da data da solicitação. Para os equipamentos que acondicionam alimentos e medicamentos, no entanto, o prazo é de apenas 01 dia útil.

Para auxiliar na investigação das causas do problema e na definição dos valores de ressarcimento, as concessionárias poderão solicitar que o consumidor envie até dois laudos e orçamentos de oficinas não credenciadas ou um laudo e orçamento de uma oficina credenciada pelo fabricante do equipamento danificado.

Depois da vistoria, a concessionária de energia tem mais 15 dias para informar se o pedido será aceito, ou não. Em caso positivo, o consumidor pode ser ressarcido em dinheiro, mediante custeio do conserto ou substituição do equipamento danificado. O prazo para o ressarcimento é de até 20 dias corridos, a partir da data da resposta da empresa.

A responsabilidade pode não se limitar a isso – mas é preciso apresentar documentos

O CDC também ampara o consumidor em caso de prejuízos adicionais, como perda de alimentos estragados em decorrência da falta de refrigeração ou até mesmo na ocorrência de danos não materiais ou indiretos (por exemplo, o comprometimento da realização de um trabalho por falta de energia). Nesses casos, devem ser apresentados cálculos, orçamentos, relação de valores dos produtos ou alimentos estragados e todos os demais tipos de demonstrativos e documentos pertinentes, de modo a que se possa comprovar o alegado.

Seu pedido de ressarcimento foi negado? Saiba como agir

Como primeira medida, o Procon sugere ainda que os consumidores que registrem suas reclamações no sistema Consumidor.gov.br, mantido pelo Ministério da Justiça. O acesso a esse sistema é gratuito, as respostas têm de ser dadas em um prazo máximo de 10 dias e os índices de solução positiva das reclamações encaminhadas por essa via têm sido altos.

Para formalizar uma reclamação pessoalmente, o consumidor poderá procurar o Procon de sua cidade ou o Juizado Especial Cível, com cópia da documentação relativa ao caso (laudos, Notas Fiscais, fotos etc), RG, CPF e comprovante de residência.

Publicidade

Jornal O Movimento trazendo sempre o melhor conteúdo para você.  Quer saber mais sobre Notícias de Pirassununga e Região? Clique aqui

É proibida a reprodução do conteúdo ou de qualquer imagem sem prévia autorização. 




Postagem Anterior Próxima Postagem