Jornal O Movimento

Estado de São Paulo bateu recorde de feminicídios em 2022


 | O Estado de São Paulo registrou 195 vítimas de feminicídio em 2022, a maior quantidade anual desde 2015, quando a lei foi implementada. As cidades paulistas já registraram mais de mil mulheres assassinadas, marca ultrapassada em outubro do ano passado, desde a implantação da lei. Foram 1.060 vítimas nos últimos oito anos. Os dados, levantados pelo Estadão, refletem uma escalada de violência contra mulheres. 

De acordo com as autoridades, entre os fatores ligados à alta estão a crise socioeconômica do cenário pós-pandemia, as limitações de políticas públicas de enfrentamento ao problema e a maior capacidade para categorizar o crime nas delegacias. As estatísticas consideram a tipificação dos crimes atribuídos no preenchimento de boletins de ocorrência. A natureza do primeiro registro pode ser alterada ao longo da investigação, segundo a SSP.

Antes do recorde deste ano, a maior marca havia sido relatada antes da pandemia, em 2019, quando 184 vítimas foram registradas no Estado. Os números de 2022 apontam uma escalada de 40% em relação ao acumulado no ano anterior: em 2021, durante a crise sanitária da covid-19, São Paulo relatou 140 casos.  

VEJA TAMBÉM 


Coordenadora das DDM (Delegacias de Defesa da Mulher), a delegada Jamila Jorge Ferrari aponta dois denominadores comuns aos casos de feminicídio: o agressor, na maioria dos casos, é companheiro da vítima e a violência doméstica antecede a fatalidade. "Dificilmente o feminicídio vai acontecer como primeira agressão", afirma. "São mulheres que dependem financeiramente do companheiro, ou que, se trabalham, não precisam sair de casa", diz. 

Questionada sobre a escalada de crimes, a delegada diz que a polícia avalia os fatores envolvidos. "É preocupante e estamos acompanhando como instituição." 

Segundo ela, a sensação de impunidade pode contribuir para a alta. Outra demanda importante, acrescenta, é conscientizar agentes públicos e as próprias vítimas ainda mais sobre as necessidades de encaminhar ou buscar as redes de proteção. 

LOCAL 

As estatísticas reforçam o percebido nas delegacias. Os dados da SSP apontam as donas de casa como as mais vitimadas desde 2015, correspondendo a 107 das 588 ocorrências onde foi possível identificar a profissão - aproximadamente 18% dos casos.

O local com maior volume de crimes também está ligado ao lar. Das 1.060 mulheres assassinadas no Estado, 703 perderam a vida em sua residência, o equivalente a dois terços dos casos acontecidos no Estado de São Paulo. 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.  Proibido a reprodução


Postagem Anterior Próxima Postagem