Jornal O Movimento

Cantora Sertaneja Celita morre aos 69 anos no interior de SP

Foto: Reprodução / Facebook

A cantora Sertaneja Celita morreu aos 69 anos na quinta-feira (27) em Sertãozinho, interior de  São Paulo. Celita foi vítima de uma pneumonia.

O velório vai ocorrer no Velório Municipal de Pirassununga, a partir das 14h desta quinta-feira (28). O enterro será à 17h, no  Cemitério Municipal da cidade.

Celina deixa os filhos, Nielson e Elidiana, genro, nora, netos e amigos. 

Carreira

Maria Helena Nunes (Celita), nasceu em Pirassununga, no interior do Estado de São Paulo, em 22 de julho de 1953. Começou a cantar aos quinze anos de idade, apresentando-se em ranchos à beira do Rio Mogi-Guaçu no Distrito de  Cachoeira de Emas, em Pirassununga (SP).

Por volta de 1980, começou a atuar de forma profissional. Em 1981, gravou seu primeiro LP, pelo selo Seta, intitulado “Te Amarei Toda Vida”, no qual destacaram-se algumas músicas, como “Te Amarei Toda Vida”, “Cavalo Preto”, “Faz um Ano, “A Pombinha Branca Voltou” e “Rancho Alegre”. 

Em 1982, lançou o LP “Celita – Vol. 2”, com destaques para “Porque me Desprezas, “Um Berrante e uma Saudade”, “Esta Noite Como Lembrança” e “Noite Maravilhosa”. 

+ Veja mais noticias no jornal O Movimento

Em 1984, sua interpretação para a rancheira “De te Amar Não Deixarei” fez parte da coletânea “Especial sertanejo – Vol. 2”, da gravadora Seta, que contou com nomes como Milionário e José Rico; Duduca e Dalvan; Léo Canhoto e Robertinho; Almir Rogério; Suzamar; Marcelo Costa; Chrystian e Ralf; Carlos César e Cristiano, e as Irmãs Barbosa.

Com o sucesso alcançado, começou a realizar shows em diferentes cidades do País. Também apresentou-se em diferentes programas de Rádio, como o consagrado “Linha Sertaneja Classe A”, na Rádio Record de São Paulo. 

Em 1985, lançou seu último trabalho pela gravadora Seta, o LP “Ausência”. Com sucesso crescente, foi contratada pela gravadora Copacabana, pela qual lançou, em 1988, o LP “Fofinha e Charmosa”. Com agenda repleta de shows e com apresentações por todo o Brasil, gravou, em 1992, o LP “Celita”. Se afastou durante algum tempo da carreira artística, voltando a gravar em 2011, quando lançou o CD “Nosso Momento de Amor”.

Todo o conteúdo do jornal digital O Movimento é protegido pela legislação de propriedade intelectual e só poderá ser reproduzido mediante autorização expressa. 

Se tiver interesse em utilizar textos, vídeos ou fotos  publicados no jornal O Movimento, por favor entre em contato com o departamento comercial para adquirir direitos autorais: [email protected]

Postagem Anterior Próxima Postagem